ESTÁ AQUI: INÍCIO | Destaques
| MAPA DO SITE | EMAIL | PROCURAR
SECRETÁRIO DE ESTADO DA CULTURA
Voltar à pagina de entrada!

Castro da Cola (Ourique)

Mosteiro de Santa Maria de Flor da Rosa

Castelo de Viana do Alentejo

Sé de Évora

 

Castelo de Belver

Gruta do escoural

Villa Romana de Torre de Palma

Profs_cultura_estatuto1_banner22

Jangada de São Torpes

Centro Interpretativo do Castro da Cola (Ourique)

cultura_estatuto_profissionais22

Brincas de Évora

cavalo pintado

Castelo de Viana do Alentejo

Miróbriga

Grupo Cubenses Amigos do Cante

Castelo de Arraiolos

Mosteiro de Santa Maria de Flor da Rosa

Viola Campaniça

Sé de Évora

Castelo de Evoramonte

Villa Romana de Torre de Palma

Castelo e Igreja Matriz de Viana do Alentejo

Castelo da Amieira do Tejo

Abóbada da Basílica Real de Castro Verde

Estatuto dos Profissionais da Área da Cultura

Castelo de Santiago do Cacém

Miróbriga

Sé de Évora

Villa Romana de S. Cucufate

Évoramonte

Bonecos de São Bento do Cortiço

Villa Romana de S. Cucufate

Castelo e Igreja do Salvador (Arraiolos)

Castelo da Amieira do Tejo

Templo romano de Évora

Destaques
Imprimir documento


Presépios na Igreja de S. Francisco, em Évora
20/12/2021
Presépios na Igreja de S. Francisco, em Évora

A Igreja de S. Francisco, em Évora, preparou para este Natal duas grandes atrações: a apresentação do "Presépio Évora", que encomendou ao arquiteto António Bouça, exposto na nave da igreja, e a exposição temporária "Presépios de Lisboa e Vale do Tejo", com peças da Coleção Canha da Silva, para ver na galeria norte.

PRESÉPIO ÉVORA


Presépio concebido segundo a ideia de recriar o nascimento de Jesus na cidade de Évora, na Praça de Giraldo, mais precisamente debaixo da arcada por onde se acede a uma livraria que, não por acaso, se chama Nazareth.

A cidade está representada da forma o mais aproximada possível, pondo em evidência quatro valores culturais do Alentejo que foram classificados como Património Mundial: o Centro Histórico - que lhe serve de cenário; o Figurado de Barro de Estremoz - a dar vida e alma à cidade, o Cante Alentejano - no grupo coral situado no adro da igreja de Santo Antão; os Chocalhos de Alcáçovas - representados sob as arcadas.

Os principais espaços da "Acrópole" e da praça principal, interpondo-se-lhes a simulação do casario da malha urbana que as separa e articula através da atual Rua 5 de Outubro, são ladeados pela Igreja de São Francisco e, no painel lateral esquerdo, por um segmento intramuros do aqueduto da Água de Prata.

Se o céu estrelado permite identificar diversas constelações visíveis em dezembro na cidade, a multiplicidade de figuras oferecem uma grande fusão entre o passado e o presente, numa cidade que fervilha de vida e rejubila com a Boa Nova.

O conjunto, projetado durante 4 meses, demorou mais de um ano a ser executado. Não é demais assinalar que compreende:

- 45 construções, 8 das quais correspondem a edifícios de maior complexidade e elevado nível de
pormenorização, como as igrejas, o templo romano, o aqueduto ou a fonte;

- 564 peças em barro que compreendem 236 figuras humanas, 205 figuras de animais e 123 objetos
diversos num sem número de especificidades e singularidades;

- sistema de iluminação cuja intensidade é regulável nos diferentes setores, sendo constituída por
leds individualizados ou em fita, quer no interior dos edifícios quer nos candeeiros.

FICHA TÉCNICA

Coordenação: Cónego Manuel da Silva Ferreira
Ideia e Projeto: António Bouça, Arquiteto
Desenho: Ivo Bazílio
Carpintaria e Pintura: Fernando Santos, Joaquim Vida e Joaquim Nunes
Eletricidade: Modesto Riga
Figurado de Barro: Irmãs Flores e Ricardo Flores
Produção Gráfica: Jorge Augusto-Publicidade e Hangar Criativo
Materiais: Madeira várias, MDF, metais, PVC, acrílico
Acabamentos: pintura a esmalte, verniz, polimento a cera, folha de ouro
Dimensões: largura 3.60m x altura 1.95m x profundidade 1.77m


PRESÉPIOS DE LISBOA E VALE DO TEJO

Coleção Canha da Silva

Depois de um ano de interregno, a Igreja de S. Francisco retoma o ciclo de exposições temáticas que anualmente complementam o núcleo de peças da Coleção Canha da Silva, cerca de 250 peças de todo o mundo, ali exposto em permanência. Este ano são exibidas peças de artistas da região de Lisboa e Vale do Tejo, para ver até outubro de 2022, das 9h00 às 17h00, no horário de inverno, e das 9h00 às 18h30 no horário de verão.

Foram escolhidas 174 peças provenientes de uma vasta região que compreende integralmente o distrito de Lisboa e parte dos distritos de Santarém, Setúbal e Leiria.

O ciclo da Natividade vem aqui interpretado pela mão de grandes mestres barristas como José Franco, de Mafra; Vitor Pires, das Caldas da Rainha, a artista Maria Helena Lourenço, de Corroios; o notável autor de figurado Joaquim Paiva, de Torres Novas; as artes do têxtil e do papel (quilling e pergamano) nos magníficos registos do arquiteto Manuel Ferrão de Oliveira e de Esmeralda Serra;
um conjunto de miniaturas digno de nota e outros tantos presépios de diversos autores do chamado artesanato contemporâneo.

 

Mais informação
igrejadesaofrancisco.pt
facebook.com/s.francisco.evora
info@igrejadesaofrancisco.pt
266 704 521

[ voltar ]

 

 

ADECORRER

Estudo "CULTURA NO PÓS ALENTEJO-2020""Covid@Alentejo, olhares" tem plataforma disponível sobre o projetoPrograma Educação Patrimonial 2022Aromas que nos guiam DRCAlentejo assinala centenário do nascimento de Artur Pastor com exposição Estatuto dos Profissionais da Área da CulturaANTROPOCÉNICA - Propostas para apresentação de comunicações



EMAGENDA

<agosto de 2022>
domsegterquaquisexsáb
31
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
 


SUBSCREVANEWSLETTER

Quer receber as nossas notícias?
Registe-se