ESTÁ AQUI: INÍCIO | Destaques
| MAPA DO SITE | EMAIL | PROCURAR
SECRETÁRIO DE ESTADO DA CULTURA
Voltar à pagina de entrada!

Brincas de Évora

Mosteiro de Santa Maria de Flor da Rosa

Gruta do escoural

cultura_estatuto_profissionais22

Castelo de Viana do Alentejo

Templo romano de Évora

Castro da Cola (Ourique)

Estatuto dos Profissionais da Área da Cultura

Évoramonte

Castelo e Igreja Matriz de Viana do Alentejo

Miróbriga

Villa Romana de S. Cucufate

Miróbriga

Jangada de São Torpes

Profs_cultura_estatuto1_banner22

Sé de Évora

Castelo de Evoramonte

Castelo de Santiago do Cacém

Grupo Cubenses Amigos do Cante

Castelo de Arraiolos

Abóbada da Basílica Real de Castro Verde

cavalo pintado

Castelo da Amieira do Tejo

Castelo da Amieira do Tejo

Viola Campaniça

Villa Romana de Torre de Palma

 

Mosteiro de Santa Maria de Flor da Rosa

Castelo de Belver

Centro Interpretativo do Castro da Cola (Ourique)

Sé de Évora

Villa Romana de Torre de Palma

Castelo de Viana do Alentejo

Villa Romana de S. Cucufate

Sé de Évora

Castelo e Igreja do Salvador (Arraiolos)

Bonecos de São Bento do Cortiço

Destaques
Imprimir documento


Exposição A invenção dum outro
17/06/2022
Exposição A invenção dum outro

O Museu Rainha Dona Leonor recebe, a partir do próximo sábado, a exposição A invenção dum outro, de Maria José Oliveira, com a curadoria de Fernando Ribeiro e Jean-Michel Albert, da ALFA Association Luso-Française d'Art.

Parar para refletir. Escutar, de forma cerebral, os ecos das nossas próprias inquietudes. E ver, com pertinente profundidade, a vida, renovada e recentrada na multidimensionalidade sublime da essência humana.
A partir do romance epistolar do século XVII "Lettres Portugaises", a artista Maria José Oliveira criou duas instalações - comunicantes entre si - uma no local onde viveu a personagem principal - soror Mariana Alcoforado - no atual Museu Rainha Dona Leonor, em Beja, Portugal, outra na Collégial de Bueil en Touraine, Tours, em França.
A artista conceptualizou estas instalações como um manifesto de liberdade no feminino, das mulheres que, diariamente, por todo o mundo, se vêem privadas da sua liberdade de pensamento, do direito ao trabalho digno, privadas de proteção social, obrigadas, ainda, a limitações graves na sua liberdade de deslocação...e vítimas - tantas vezes - de uma cobarde violência doméstica, tanto física como psicológica.
De afetos nasceu este projeto, mas também de encontros, em registos, geografias e tempos diferenciados, onde um livro publicado no século XVII, encontra uma produção cinematográfica francesa, filmada em pleno século XXI, e cujas filmagens - mimetizando a obra literária original - tiveram como lugares de ação pensada, Portugal (a narradora e suposta autora das cartas) e França (o destinatário dessas cartas).
Esta é uma exposição que, evoluindo entre a utopia do sonho passado, se projeta na esperança do futuro que a distopia do presente nos permite. Uma exposição que nos fala de clausura, de abnegação, mas também de resiliência, de liberdade e de amor, através das instalações site-specific, que a artista compõe e conceptualiza.
Em Portugal, no Convento da Conceição, em Beja. Na sala onde se encontra a Janela de Mértola, uma cela imaginada, de tecido em trama, suspensa e etérea. Ouve-se um coração que bate. Um coração de vida (por viver) e de amor (por amar).
Das espessas e opacientes (ostracizantes) paredes do Convento, ao espartilho de convenções de ordem familiar/social/política, o grito de alma da suposta autora das "Cartas Portuguesas", Soror Mariana Alcoforado, ecoa pelos séculos, juntando-se a cada um de nós, em qualquer espaço ou tempo, clamando e marchando contra o esquecimento, a solidão e o desamor.
Em França, na Collégiale Saint-Pierre, Saint-Michel et Saints-Innocents, en Bueil-en- Touraine. A antiga sacristia, que durante a rodagem do filme foi convertida em cenário de cela de Mariana Alcoforado, duplica a representação do espaço de contenção/confinamento, físico, emocional e espiritual.
A velha e inóspita porta de acesso à antiga sacristia/'cela', encontra-se agora aberta. No espaço, apresenta-se uma escada/escadote que, de modo ascendente, alcança a liberdade atravessando o muro imediatamente oposto. A luz opalina e enigmática da janela, tal como em Beja, teima em vencer as sombras que velam o espaço.

Fernando Ribeiro e Jean-Michel Albert, ALFA

 

Nascida em Lisboa, no ano de 1943, Maria José Oliveira é uma Mulher de uma frescura e curiosidade arrebatadora, uma profissional exigente - consigo e com a sua obra - e uma pessoa dotada de uma sensibilidade e humanidade sem limites.
É uma artista cuja profundidade no processo criativo de cada projeto em que põe a alma, se revela através de pistas e percursos alquímicos, tão acolhedores como inesperados, numa abordagem bem estruturada, porém inconformista e não convencional.
Tendo começado pela cerâmica (tirou o curso de cerâmica no IADE, entre 1973 e 1976), foi professora convidada do departamento de cerâmica do A.R.C.O de 1991 a 1997. O seu percurso artístico passou pela ourivesaria, pelo risco, pela escultura, pela instalação e pela performance.
Parafraseando a historiadora de arte Raquel Henriques da Silva, no texto que escreveu no catálogo "Maria José Oliveira, 40 anos de trabalho":
"A Maria José é uma artista que instala o conceptualismo no campo sem fundo da antropologia, usando procedimentos e técnicas que têm de ver com a Land art, a arte ecológica a arte povera, (...)"
Desde 1982 que são inúmeras as exposições onde participou, entre individuais e coletivas. Os múltiplos convites que continua a receber para expor, mostram bem o interesse que instituições públicas e privadas continuam a ter pela sua visão inteligente e perspicaz sobre questões que nos são contemporâneas.

Convite

 

[ voltar ]

 

 

ADECORRER

Estudo "CULTURA NO PÓS ALENTEJO-2020""Covid@Alentejo, olhares" tem plataforma disponível sobre o projetoPrograma Educação Patrimonial 2022Aromas que nos guiam DRCAlentejo assinala centenário do nascimento de Artur Pastor com exposição Estatuto dos Profissionais da Área da CulturaANTROPOCÉNICA - Propostas para apresentação de comunicações



EMAGENDA

<agosto de 2022>
domsegterquaquisexsáb
31
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
 


SUBSCREVANEWSLETTER

Quer receber as nossas notícias?
Registe-se