ESTÁ AQUI: INÍCIO | Destaques
| MAPA DO SITE | EMAIL | PROCURAR
SECRETÁRIO DE ESTADO DA CULTURA
Voltar à pagina de entrada!

Castro da Cola (Ourique)

Sé de Évora

Sé de Évora

Évoramonte

Castelo da Amieira do Tejo

Sé de Évora

Miróbriga

Estatuto dos Profissionais da Área da Cultura

Abóbada da Basílica Real de Castro Verde

Gruta do escoural

Brincas de Évora

Castelo de Evoramonte

Templo romano de Évora

Castelo de Santiago do Cacém

Castelo de Viana do Alentejo

cultura_estatuto_profissionais22

Jangada de São Torpes

Villa Romana de Torre de Palma

Mosteiro de Santa Maria de Flor da Rosa

Castelo da Amieira do Tejo

Castelo de Belver

Profs_cultura_estatuto1_banner22

Castelo de Viana do Alentejo

Castelo e Igreja Matriz de Viana do Alentejo

Bonecos de São Bento do Cortiço

Villa Romana de S. Cucufate

Villa Romana de Torre de Palma

 

Mosteiro de Santa Maria de Flor da Rosa

Castelo de Arraiolos

cavalo pintado

Villa Romana de S. Cucufate

Grupo Cubenses Amigos do Cante

Miróbriga

Centro Interpretativo do Castro da Cola (Ourique)

Viola Campaniça

Castelo e Igreja do Salvador (Arraiolos)

Destaques
Imprimir documento


FIOE apresenta concerto pelo Ensemble Régio, dia 5 de maio
03-05-2024
FIOE apresenta concerto pelo Ensemble Régio, dia 5 de maio

No dia 5 de maio, às 18:00, na igreja de S. Francisco (Évora), o 1.º Festival Internacional de Órgão de Évora - FIOE apresenta um concerto pelo Ensemble Régio com David Brutti, corneta; Gabriele Toscani, violino; Rafael dos Reis, órgão; Joana Godinho e Joana Timóteo, canto.  A entrada é livre.

O nome Ensemble Régio surge da relação histórica que o convento de S. Francisco manteve com o reis Portugueses desde a sua fundação até meados do século XVI.
O grupo é formado por músicos de Évora, que de alguma forma mantêm uma ligação com a igreja de S. Francisco, seja pela participação regular na liturgia, seja fruto do apoio que esta instituição vem atribuindo, de forma significativa, ao desenvolvimento da atividade destes artistas.

Aos músicos formados em Évora, Rafael dos Reis, Joana Godinho e Joana Timóteo, juntam-se David Brutti e Gabriele Toscani, na corneta e violino respetivamente. Estes artistas têm participado com regularidade em concertos e atividades litúrgicas relevantes, na Sé de Évora e em S. Francisco.

O repertório será composto por peças para órgão, de autores Italianos do início do período barroco, bem como transcrições de peças de polifonia do século XVI, de autores Eborenses, recentemente descobertas por Rafael dos Reis, Diretor Artístico do FIOE, na sequência da investigação que desenvolve no âmbito do seu projecto de doutoramento.

Serão interpretadas obras de Domingos Pereira, Estevão de Brito, Alesandro Grandi, Claudio Monteverdi e David Perez.


PROGRAMA

Estevão de Brito/ Rafael dos Reis
Miserunt Judai

Estevão de Brito
Miserunt Judai

Alessandro Grandi
Gaudeamus Omnes

Alessandro Grandi
Ave Maris Stella

Anónimo
Sonata em dó maior

Claudio Monteverdi
Ego flos campi

Domingos Pereira

Ofício de trevas de Quinta-feira Santa: Primeira Lição

Anónimo
Frais et Gaillard

Giovanni Rovetta
Conditor alme siderum

Marco Uccelini
Aria Sopra Bergamasca

David Perez
Sonata em sol maior

Lodovico Grossi da Viadana
Canzon Francese in Risposta

Alessandro Grandi
Bone Jesus Verbum Patris

Claudio Monteverdi
Et Ressurrexit


NOTAS BIOGRÁFICAS


David Brutti

Nasceu em Foligno (Itália) em 1979. Estudou saxofone e piano com Jean-Marie Londeix e Marie Bernardette Charrier no Conservatório de Bordéus, onde obteve as mais altas classificações. Desenvolveu uma intensa atividade concertística na interpretação de música contemporânea, jazz e clássica. Em 2012 inicia os estudos de corneta com Andrea Inhisciano.
Frequentou vários cursos de interpretação de música barroca e renascentita. Colaborou com importantes agrupamentos de música antiga, tais como Il Giardino Armonico, Cappella Neapolitana, Academia Bizantina e Cremona Antiqua.
Participou nos mais importante festivais de música antiga. É fundador do agrupamento Seicento Stravagante dedicado à interpretação de música renascentista e do barroco inicial, utilizando órgãos históricos e corneta, desenvolvendo uma intensa atividade artística. É docente de corneta no Conservatório Arrigo Pedrollo em Vicenza e de saxofone em no Conservatório Lorenzo Perosi em Campobasso.

Gabriele Toscani
Nasceu em Noceto (Itália) em 1992, numa família de músicos. Começou a tocar violino desde tenra idade com os pais e, posteriormente, aos 8 anos, ingressou no Conservatório de Música Arrigo Boito em Parma, sob a orientação de Sebastiano Airoldi. Após o 5.º ano, entrou na classe de Luigi Mazza, graduando-se com distinção em 2012; durante os seus estudos, participou em vários cursos e masterclasses em Itália e no estrangeiro em todos os géneros musicais.
No campo da música antiga, participou a solo ou com diferentes conjuntos em vários Festivais nacionais e internacionais (Grandezze e Meraviglie, Echi Lontani, Anima Mea, Mafestival, Ars Sonore, Zamus, Styriarte).
Toca viola da gamba e violino baixo, instrumento que tocou na primeira gravação completa do CD do "Concerto Musico-Instrumentalis" de J.J. Fux. Concluiu em 2017 o seu Mestrado em Violino Barroco na Universidade de Artes de Graz sob a orientação de Susanne Scholz.
É membro fundador do Ensemble Mozaique com o qual venceu vários concursos internacionais. O Ensemble publicou em 2023 para a Pan Classics o CD "Caldara: Arias for Bass".

Rafael dos Reis
É o diretor Artístico do FIOE.
É licenciado em órgão pela Universidade de Évora, onde estudou com João Vaz. Participou em várias edições do curso de Mateus estudando cravo e música de câmara com Jacques Ogg.
Estudou em vários cursos internacionais de órgão, em Basel com Andrea Marcon e em Toulouse com Willem Jansen.
É diplomado pela Accademia Internazionale di Musica per Organo San Martino de Bologna, no curso de Literatura para Órgão Italiana, onde estudou com Luigi Ferdinando Tagliavini.
Foi professor de órgão no Conservatório Reginal de Évora - Eborae Musica e durante dez anos na Escola de Música do Conservatório Nacional em Lisboa.
É organista titular na Sé de Évora, nas igrejas de S. Francisco e Espírito Santo em Évora.
Atualmente é investigador e doutorando bolseiro da Fundação para a Ciência e Tecnologia, na Faculdade de Belas Artes da Universidade de Lisboa, com a orientação de João Vaz, onde desenvolve a tese: «Património Organístico Material e Imaterial de Évora: Instrumentos, Repertório e Performance».

Joana Godinho
Iniciou os seus estudos musicais com a professora Cândida Matos. Estudou Canto na Academia de Música Eborense, com a professora Joana Levy, tendo também trabalhado com Maria Repas Gonçalves; em simultâneo fez o curso de Violoncelo na Escola Profissional de Música de Évora onde foi aluna de Ana Paula Góis e Viktoria Chichikova. Fez o exame de Ensemble Advanced pela ABRSM (Associate Board of The Royal School Of Music), tendo obtido as mais altas referências e classificação como intérprete de música de Câmara.
Para além do repertório lírico também colabora com diferentes projetos no âmbito da música tradicional e ligeira, assim como outros projetos artísticos de performance.
Tem uma vasta experiência em pedagogia do canto, orienta e dirige regularmente workshops e masterclasses de técnica e saúde vocal e projetos artístico-pedagógicos para crianças, jovens e adultos.
Atualmente é docente de canto e classe de conjunto no Conservatório Regional de Évora - Eborae Musica e na Academia de Música de Elvas.

Joana Timóteo
Iniciou os seus estudos musicais no Conservatório Regional de Évora em Guitarra Clássica com António Caeiro, tendo completado o 8.º grau na classe de João Macedo; fez também parte da classe de canto de Joana Godinho e de Sandra Medeiros.
Atualmente, frequenta o último ano no Mestrado Integrado em Medicina na Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa, onde também teve papel ativo em projetos artísticos, como o Sarau Cultural AEFML. Mantém atividade musical no coro da Sé de Évora, ao qual pertence desde 2013, na Igreja de São Francisco, desde 2020, e na Capella de São Vicente, em Lisboa, desde 2022. Foi membro do coro da Jornada Mundial da Juventude Lisboa 2023.

 

Todos os concertos têm entrada gratuita.


A REABILITAÇÃO DOS ÓRGÃOS HISTÓRICOS
Construídos entre os séculos XVI e XIX, e com uma história que abrange 322 anos, os órgãos da cidade de Évora têm reconhecimento nacional e internacional.
A nível nacional, Évora assume extraordinária importância ao possuir o mais antigo conjunto de dois órgãos da Europa que datam de 1562 e que se encontram na Sé, um deles recuperado. Existem também órgãos da escola Hamburguesa de Arp Schnitger que datam de final do século XVII e primeira metade do século XVIII, da autoria de Hulenkampf.
A cidade tem ainda um dos mais importantes conjuntos de órgãos do genovês Pascoal Caetano Oldovino, construídos para as mais significativas igrejas da cidade e 4 deles reunidos na igreja de S. Francisco. Por fim um órgão romântico francês de Aristide Cavaillé-Coll de 1884, que se encontra na Igreja do Espírito Santo. De notar que todos os organeiros eram de origem estrangeira.
Pelas características apontadas, as instituições responsáveis pelos instrumentos, têm feito um investimento necessário e significativo para conservar e recuperar os órgãos. Desta forma, a Igreja de S. Francisco entre 2018 e 2022 recuperou os quatro instrumentos da sua responsabilidade, criando um espaço onde pela primeira vez no Alentejo se podem escutar quatro instrumentos do mesmo organeiro, em conjunto.
O Cabido Eborense promoveu uma obra de conservação necessária no órgão renascentista e restaurou o órgão barroco. Pretende ainda pelo seu significado, recuperar um instrumento que possui tubos do antigo órgão renascentista que se encontrava em frente ao atual, lamentavelmente desmantelado nos anos 40. A Sé terá novamente a oportunidade de recuperar, ainda que não plenamente, a possibilidade de haver música a dois órgãos como acontecia no renascimento.
Mais recentemente a igreja do Espírito Santo em colaboração com a igreja de S. Francisco, restaurou o seu instrumento romântico de Cavaillé-Coll, num trabalho de resultado primoroso e brilhante. Todos os restauros foram feitos por organeiros com as mais altas competências internacionais e especialistas nas especificidades da época de cada um dos instrumentos.

OS ANTECEDENTES
Em 29 de junho de 2019, concluída a reabilitação de 3 órgãos de Oldovino, foi lançado o Ciclo de Concertos de Órgão da Igreja de S. Francisco - Música nas Igrejas que decorreu entre julho e novembro de 2019, com concertos em Évora, Alvito, Arronches, Almodôvar, Sousel e Elvas.
No concerto inaugural foram tocadas duas obras inéditas, encomendadas ao compositor Eurico Carrapatoso e interpretadas por organistas, coro e orquestra internacionais.
Esta iniciativa resultou de uma parceria entre a igreja de S. Francisco e a Direção Regional de Cultura do Alentejo, com a colaboração das Dioceses e Municípios envolvidos.
Mais recentemente, em dezembro de 2022, na sequência da conclusão da reabilitação de mais um órgão de Oldovino, foi realizado o concerto "4 ÓRGÃOS - música no tempo de Pascoal Caetano Oldovino" com João Vaz, André Ferreira, Alice Rocha e Rafael dos Reis e o coro Capella de S. Vicente com direção de Pedro Rodrigues.
Ao todo, as iniciativas dos últimos anos já criaram oportunidades de trabalho para um número importante de músicos, organeiros e técnicos de multimédia e comunicação.


Consulte AQUI o programa geral do FIOE.


FICHA TÉCNICA

Cónego Manuel da Silva Ferreira - Paróquia de S. Pedro
Administração e coordenação
Rafael dos Reis
Direção artística
Manuel Ribeiro
Comunicação e multimédia


LIGAÇÕES

Página oficial do Festival fioe.igrejadesaofrancisco.pt
Facebook igreja de S. Francisco facebook.com/s.francisco.evora
Facebook igreja do Espírito Santo facebook.com/igreja.espirito.santo.evora
Facebook da Arquidiocese facebook.com/arquidiocesedeevora

 

 

 

[ voltar ]

 

 

ADECORRER

Francisco de Holanda em ÉvoraRELATÓRIOS Culture Action EuropeDRCAlentejo mantém Certificação do seu Sistema de Gestão da QualidadeGUIA DOS INSTRUMENTOS DE FINANCIAMENTO DE PROJETOS CRIATIVOSPatrimónio ao Alcance de Todos Internet Segura: #LerAntesClicarDepoisÉvora, e o Alentejo, serão Capital Europeia da Cultura em 2027Documentário "Michel Formentelli" RELATÓRIO "Strengthening cultural heritage resilience for climate change"Serviço "Filmar em Portugal"Estudo "CULTURA NO PÓS ALENTEJO-2020""Covid@Alentejo, olhares" tem plataforma disponível sobre o projetoPrograma Educação Patrimonial 2022Estatuto dos Profissionais da Área da Cultura



EMAGENDA

<junho de 2024>
domsegterquaquisexsáb
26
27
28
29
30
31
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
1
2
3
4
5
6
 


SUBSCREVANEWSLETTER

Quer receber as nossas notícias?
Registe-se